Prefeito diz que igrejas só querem retomar cultos para “faturar” - ESPINHA DE PEIXE

Breaking

ENTRE NO GRUPO DE NOTÍCIAS!

PARTICIPE DO GRUPO DE NOTÍCIAS BASTA CLICAR NO LINK!

domingo, 24 de maio de 2020

Prefeito diz que igrejas só querem retomar cultos para “faturar”


O prefeito de Porto Alegre (RS), Nelson Marchezan Junior (PSDB), afirmou que as igrejas evangélicas pleiteiam a reabertura dos templos em meio à quarentena porque desejam “faturar”.

A declaração polêmica foi alvo de um artigo de repúdio do advogado Thiago Rafael Vieira, professor de Direito religioso, que viu na fala de Marchezan Junior uma demonstração de desconhecimento e desrespeito à liberdade religiosa.

A fala do prefeito de Porto Alegre foi estimulada pelo enunciado da entrevistadora da Rádio Gaúcha, que afirmou que “Deus está em todo lugar; a gente pode rezar em qualquer lugar, a gente pode rezar em casa”, e depois incrementou: “É bastante impressionante a pressão que o senhor sofre para reabertura das Igrejas evangélicas”.
A partir de então, o prefeito passou a demonstrar sua visão sobre os evangélicos da capital gaúcha: “Uma estrutura de comunicação liderada por igrejas tem feito isso de forma absolutamente sem pudor, sem moral, e sem nenhum princípio de religião que pudesse orientar a população a se ‘religar’ com algo espiritual. Eu registro isso porque, neste momento, ter que me preocupar com isso, buscar ações judiciais para proteger minha família e meu nome, é uma preocupação inadequada e injusta, por um motivo torpe, que é reunir pessoas para faturar, só pode ser essa a explicação”, declarou.

Para o advogado, Marchezan Junior se equivocou de maneira desastrosa: “Chamar a fé de torpe é impensável em uma democracia, sobretudo, em um país que foi forjado no seio da Igreja, que nasceu por missões jesuítas – que vieram do velho mundo para levar Cristo ao novo mundo. Ainda mais em uma cidade que tem no meio de sua bandeira a cruz vermelha da ordem de Cristo e como seus primeiros nomes, homenagens a santos, parece que nem o seu prefeito sabe disso”, criticou.

“A Igreja é assembleia dos crentes, a soma dos fiéis, e, nada é mais natural ao ser humano, como ensina [o cientista político Alexis de] Tocqueville […], do que agir, associar-se com outros. Trata-se de um direito inalienável de todos nós o de se associar e, se para fins de adoração, o mais fundamental e inalienável de todos os direitos, pois decorre do mais íntimo do coração de cada um”, conceituou vieira.

Por fim, o especialista em Direito religioso diz, em seu artigo no portal Gazeta do Povo, que “a ofensa do prefeito da capital do Rio Grande do Sul às igrejas é uma ofensa direta a milhares de porto-alegrenses e à democracia, porque a Igreja são as pessoas!”, e, como uma congregação wue comunga da mesma fé, ”estas pessoas não se encontram para faturar, porque a Igreja é uma instituição que possui um fim em si mesma, e, portanto, não é um meio para alcançar um fim, ela é o fim último dela mesma”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

RADIO VIOLA VIVA